quarta-feira, 20 de junho de 2012

sábado, 16 de junho de 2012

Rebeldia

faz-me falta rebeldia . faz-me falta a tua presença na minha vida , a meu lado . faz-me falta os dias em que ignorava ordens da minha mãe e fugia para os teus braços . faz-me faltas os dias de chuva , passados fechada em casa contigo , debaixo de lençóis da flanela , desarrumados e desalinhados , soltos debaixo da colcha . faz-me falta os teus choros e desabafos , horas passadas onde só tu importavas . faz-me falta soltar-me e confiar em ti , contar-te mil e um devaneios ou apenas sonhos estúpidos em que só me lembro de certos pormenores . faz-me faltas risos e brincadeiras , só nossas . faz-me falta ter-te para me ensinar a ver os aspectos positivos da vida e a viver cada dia como se fosse o ultimo . faz-me falta ter-te , perto , junto , colado a mim . faz-me falta a rebeldia sincera e obtida através de doces beijos e descontroladas trocas de caricias e demonstrações de sentimentos . rebeldia essa , só tua , e característica dos nossos quentes dias de verão . essa tua rebeldia , meu amor , faz de mim quem sou para ti . essa tua rebeldia , menino dos meus olhos , traduz a tua leve inocência e refere sentimentos que em ti , nunca julguei algum dia existirem . essa tua rebeldia ... amo-a .

Amnésia

‎jurei um dia que o amanhã não chegaria . que tu não existirias mais . que eu em ti não seria o que tu em mim ansiavas ser . jurei nunca mais acordar presa a pensamentos longos e frios , pela falta de tua presença . jurei a pés juntos que nunca mais seria inconsciente e ingénua , que nunca mais olharia para alguém da forma como outrora cai no erro de olhar . prometi-me e jurei-me que nunca mais seria a mesma , que nunca mais passaria pelo desgosto e pela angustia que certos seres me causaram . prometi à minha estúpida e ignorante saúde mental que não voltaria a mete-la no mesmo buraco , que desta vez ia poupá-la a erros inúteis que já não ensinam nada a ninguém . entretanto , apareceste tu . e hoje , atiro areia para os meus olhos interiores , pois voltei a acreditar que seria possível e não quero que a minha memória se arme em cabra e me lembre do porquê de me privado de certas aventuras . por isso , hoje sofro de amnésia . amanhã , logo se vê . 

quarta-feira, 13 de junho de 2012

ok ? ok .

' cair na realidade é duro . especialmente quando nesse momento , nesse exacto segundo , percebemos que fodemos tudo com acções desnecessárias . e pensar que um dia poderia ter sido mais que feliz ao teu lado , que podia ter sido rainha , que podia viver completamente dependente de tua presença e teu carinho , que podia ter sentido na minha pele o teu toque doce , quente e carregado de amor e paixão , que podia ter feito crescer dentro de nós algo mais pesado e simpático do que aquilo a que tantos chamam 'amor' . e saber que tinha tudo o que precisas , que tu tinhas tudo o que eu queria , que eu e tu era certo , que um nós era concreto e um futuro era garantido . e mesmo assim , fiquei sem ti . e é suposto agora , sem mais nem menos , conformar-me que ontem podia ser o teu futuro e que hoje nem isso te posso pedir ? ok , fodi tudo . mas continuo a querer-te , ok ? ok . '

sábado, 2 de junho de 2012

Amanhã.

Hoje acordei chorosa. Estou naqueles particulares dias em que em vez de ter uma foto minha como foto de perfil, preferia ter uma contigo. É daqueles dias em que cada objecto para onde olho, faz-me chorar. Todas as músicas que oiço são melancólicas e só me apetece escrever-te. Mas escrever-te era inútil, não alteraria a situação, muito menos te traria até mim. Mas especialmente hoje, está-me a custar estar sem ti, mais do que o costume. e saber que nunca mais te verei, que não saberei mais o que se passa contigo ou em ti , devora-me. Passaram 3 meses. 3 meses sem ti. E custa-me mais hoje do que no primeiro dia. Garanto-te hoje que seria diferente. Mas isso continua a não servir de nada. E tudo o que tu podias, devias, terias ... Eu não pude, não devia, não tive. Mais quatro dias e nunca mais te verei. Nunca mais sorrirás. Nunca mais falarás. Nunca mais me tocarás. Nunca mais saberás quem sou. Só gostava que depois de ir, deixasse algo em ti. Mas hoje choro, choro porque sei que tal não acontecerá e amanhã já não serei ninguém para ti. Por isso choro. Acordo hoje consciente de que tudo o que fui um dia, nunca mais serei. Choro por ti , para ti , por nós. Pelo passado. Porque no futuro, já não serei ninguém. Sei que vou acordar amanhã pior que hoje. Que amanhã estarei ainda menos perto de ti. Que esquecerás mais uma mania minha, que ignorarás mais um gesto meu. Amanhã ... será pior. Amo-te.